Total de visualizações de página

Olá...
Observe, navegue, leia, e poste suas considerações.
Se quiser postar poemas, aceito...agradeço...
Um abraço
Rosana

segunda-feira, 4 de abril de 2016

A LIÇÃO DA BORBOLETA



A LIÇÃO DA BORBOLETA
Rosana Carneiro – São Paulo

O vento, naquela manhã de outono soprava frio.
Minhas asas ainda estavam amarrotadas conta do casulo apertado e protetor.
O sol queria despontar, mas o vento empurrava aquelas nuvens para cobrir o calor que ele queria transmitir.
A moça na janela assistia e contemplava a natureza com um leve sorriso nos lábios, cantarolando uma canção do passado, que lhe remetia recordações ternas de manhãs calmas e tranquilas como aquela.
Eu, naquele meu torpor, queria sair. Devagar esticava como podia, sem pressa, aquelas que me dariam a graça de sobrevoar o tempo e o espaço que descortinava naquele mundo novo e tranquilo que rodeava minha vida.
Suspirei e tentei me acalmar. Afinal, renascer não era fácil.
Adormecer profundamente, por um longo período, fez-me querer alçar voos mais e mais altos.
Um raio de luz cintilante cobriu uma das asas, como se Deus despejasse ali um bálsamo e então pude esticar totalmente uma de minhas asas.
Doeu.
Doeu porque  aquele costume de ficar encolhida teve que desaparecer.
 Eu tinha que ter forças e ânimo para recomeçar a viver novamente.Um longo período dentro de um mundo sem grandes perspectivas era confortável, pois eu não teria que me esforçar pra nada.
O vento forte do outono, rachou o casulo em que eu adormecia e eu precisei sair daquele comodismo e enfim, voar para a vida.
Não era fácil passar por transformações assim, tão radicais.
O mundo desconhecido, porém belo e atrativo, me convidava a sobrevoar e encontrar fontes de energia, equilíbrio, paz...
Forcei mais um pouquinho, enquanto a moça preparava o café.
Aquele aroma doce invadiu o ar e eu suspirei forte. Mais um pouquinho e a outra asa se esticaria.
E eu não tive medo. Forcei.
Consegui me livrar de mais um pouco e o vento balançou mais uma vez as folhas e os galhos e eu vi como era importante tentar.
Fiz força. Fechei os olhos. Respirei fundo e com todas as forças que Deus me deu, me livrei daquilo que me fazia sufocar.
A moça voltou à janela com a xícara na mão e me olhou.
Eu fiquei com medo, porém tive forças de encarar o mundo que me esperava e ergui as asas.
Sacudi devagar e pronto. Estava pronta para voar.
A moça sorria, admirada, feliz.
Eu me senti confiante e num impulso, saltei para a vida e fui viver cada minuto como se fosse a última vez que voaria.
A moça?
A moça olhou para o céu e disse: Obrigada Senhor! Esta borboleta foi forte e conseguiu voar e sair pelo mundo. Se uma borboleta consegue, por que eu não conseguiria? 
Assim ela se sentiu borboleta e também voou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado assim que a autora ler.
Obrigada.